Pesquisar este blog

Carregando...

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Janary Nunes, 1º o governador do Amapá

apri

Foto de 1954. Janary Nunes, ao lado de d. Aristides Piróvano. Dois primeiros governantes, o do Territorio Federal do Amapá (Janary) e o dos católicos do Amapá (D. Aristides).


Oficial do Exército Brasileiro, politico e estadista, lider escoteiro, Janary Gentil Nunes foi o primeiro e o que governou por mais tempo o Amapá (quase 12 anos). No seu governo, a construção do Amapá. Nasceu em Alenquer (Pará) em 1º de junho de 1912 e faleceu no Rio de Janeiro em 15 de outubro de 1984. Casou em primeiro matrimônio com Iracema Carvão Nunes (falecida) e em segundo matrimônio com a irmã de Iracema, Alice Déa Carvão Nunes. Sua vida é cheia de trabalhos prestados ao país. Em 1930, com 18 anos, entra para a Escola Militar do Realengo, no Rio, após concluir o curso secundário em Belém. De 1933 a 1934 foi redator da Revista da Escola Militar, chegando ao cargo de diretor. Em 29 de dezembro de 1934 é declarado aspirante a oficial. Mais tarde é promovido a Segundo Tenente, Capitão e Major, servindo no 26º BC em Belém, no Destacamento. Em 1938 ele está no comando do Pelotão de Fuzileiros de Oiapoque, e em seguida no 15º BC em Florianópolis (SC), e na 1ª Companhia Independente de Metralhadoras, no Rio. Em 1938 conclui um curso no Centro de Transmissão da 5ª Região Militar, em Curitiba (Paraná), ficando como primeiro colocado. Em 1942 também tira em 1º lugar no Curso Regional de Aperfeiçoamento de Oficiais da 8ª Região Militar em Belém (Pará). Nos 13 anos de vida militar, ocupou várias funções de relevo. Foi diretor-técnico da Fedeeração dos Escoteiros do Paraná e Santa Catarina, promovendo a expansão da entidade em todo o país.

Em 1939 assume a secretaria da Comissão Interministerial, formada pelos ministérios do Exército, Marinha, Jutiça e Educação, responsável pela elaboração do Decreto-Lei nº 43.545, de julho de 1940, que regulamenta o uso, a feitura e o culto dos simbolos nacionais. Durante a Segunda Guerra Mundial, precisamente no período de 1942 a 1943, assume a Primeira Companhia Independente de Metralhadoras Anti-Aéreas, incumbida de defender a Base Aérea de Belém (Pará).

Em 27 de dezembro de 1943 é nomeado, pelo presidente Getúlio Vargas, governador do Território Federal do Amapá, aos 31 anos. Em 25 de janeiro de 1944, após receber das mãos do governador do Pará todos os bens patrimoniais existentes na região, toma posse como o primeiro governador da história do Território do Amapá.

Em seu governo construiu escolas e postos de saúde nos municípios, mandou edificar casas para diretores e funcionários, construiu grupos escolares, entre eles o Barão do Rio Branco (situado na praça do mesmo nome); o Ginásio de Macapá (hoje Escola Integrada de Macapá), Escola Doméstica (Hoje Escola Estadual Santina Riolli), o Instituto de Educação do Amapá (IETA), o Hospital Geral de Macapá (a primeira unidade de saúde da capital). Também durante seu governo são implantadas a agricultura e a pecuária, criando-se pólos de produção como a Colônia Agrícola do Martapi e o posto agropecuário da Fazendinha. Deu-se início ao ordenamento urbanístico de Macapá, construindo-se conjuntos residenciais. Foi no seu governo que foi conseguida a aprovação do projeto de construção da Usina Hidrelétrica Coaracy Nunes e a exploração do manganês pela Icomi.

Outra ação meritória foi a retomada das obras de construção da BR-156 entre Macapá e Oiapoque. Iniciou-se a implantação da Companhia de Eletricidade do Amapá e da Companhia de Água e Esgotos. Em 23 de abril de 1945, por sua ação direta, foi criado o município de Oiapoque. Em 1947 consegue eleger seu irmão Coaracy Nunes deputado federal, pelo PSB. No período de setembro a outubro de 1954, foi substituído por Theodoro Arthou, voltando em 1955, e permanecendo até 1956.

De 1956 a 1959, exerceu a presidência da Petrobrás, colaborando no Plano de Desenvolvimento e Ampliação da empresa, no período de governo de Juscelino Kubitschek. Em 1960 é nomeado embaixador plenipotenciário e extraordinário do Brasil na Turquia. Com a exportação do manganês iniciada em seu governo, o Amapá passou a contribuir para a balança de pagamento com aproximadamente US$ 36 milhões, em 1957, e com US$ 30 milhões em 1958. A população do Amapá cresceu de 21 mil para 55 mil habitantes. Macapá que, em 1943 era a 49ª cidade da Amazônia, passa para a quarta cidade em 1955. Cresce de 1.082 habitantes para mais de 20 mil.

Como presidente da Petrobrás, investe no aumento da produção petrolífera, elevando-a de 6.800 para 62 mil barris. As reservas recuperáveis também cresceram, passando de 255 para 480 milhões. Em 1958 deixa a Petrobrás e, após disputar as eleições parlamentares, é eleito deputado federal. Em 1962 se reelege pelo PDC. Perseguido pelo então governador Luiz Mendes da Silva, que tentou a cassação de seu mandato, não conseguindo. Para enfrentar Luiz Mendes, que lançou o cabo Alfredo Oliveira, pela Arena 1, para o substituir no Parlamento, Janary derrota o candidato do governador, se reelegendo deputado federal, pela Arena 2. A primeira derrota aconteceu em 1970, quando é vencido pelo deputado Antonio Pontes, do PMDB. Com esta derrota, encerra-se de vez o Janarismo no Amapá. Janary teve papel destacado nas relações do Brasil com outros paises, como embaixador do Brasil.

Obras: 1939 – Bandeira do Brasil; 1959 – Defesa dos Programas da Petrobrás; 1959 – A Verdade sobre o Manganês do Amapá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário